Preto & Branco

Um charuto “made in Mozambique” nas bocas do mundo

O mercado mundial de charutos já conta com uma marca “Made in Mozambique” que, somente com cinco anos de existência, já alcança 15 países em vários pontos do mundo e com mais de duas centenas de postos de venda dentro dos locais “chiques” de Moçambique e arroga-se da sua qualidade internacional e de ser referência africana. Trata-se do charuto “bongani”ou seja “bongani cigars”, um dos produtos de luxo produzidos manualmente e que escolhe o bolso da pessoa cuja boca vai fumá-lo ou deliciar-se. Pois, somente uma unidade, a exemplo da variante “458 long-sigle”, segundo consta na loja virtual da “Bongani Cigars’ custa 18 dólares, o equivalente a cerca de 1.200 meticais!  Mas, para o progenitor do projecto, o suíço-libanês Kamal Moukheiber, que é um ex-banqueiro de investimentos, “eles podem ser caros, mas cada vez mais, na África há uma classe média e alta de pessoas que querem experimentar produtos de alta qualidade. A demanda por cigarros é relativamente forte”, considera confiante. Siga os excertos da entrevista concedida com recurso às tecnologias de informação e comunicação, visto que se encontrava fora do país aquando da solicitação da mesma

Jornal Preto&Branco (JP&B): O continente africano não faz parte do roteiro de produção e comercialização de charutos. O que levou um cidadão cujo berço e crescimento foi entre a Suíça e o Líbano e, como apuramos, um ex-banqueiro de investimento, a aventurar-se em um negócio de “luxo”, digamos, em terras pobres da África e, especificamente, em Moçambique?

Kamal Moukheiber (KM): A África e Moçambique produzem fumo há muito tempo. Como costuma acontecer, a África vende “matéria-prima” de alta qualidade sem desenvolver o produto final e obter melhores margens. Os charutos são produtos de alta qualidade e alta qualificação que são exportados para mercados mais ricos. Faz muito sentido produzí-los na África e vendê-los para os EUA, Europa, Reino Unido, Suíça, etc …

 

JP&B:Como foi o processo de implantação do projeto, recrutamento de pessoal e busca de matéria-prima para a produção?

KM:Fomos à República Dominicana para recrutar uma equipe para vir a Moçambique treinar nossa equipe de enroladores de charutos nos mesmos níveis da República Democrática do Congo. Nosso tabaco é proveniente de todo o mundo e, claro, a África (Camarões, Zimbábue …) produz um excelente tabaco para charutos.

 

JP&B: Qual é o seu principal mercado e qual a capacidade de abastecimento que a Bongani Cigars garante?

KM:Estamos presentes em cerca de 12 países, como África do Sul, Quênia, Nigéria, Estados Unidos, Reino Unido, Suíça etc … e claro, Moçambique. Temos um produto de alta qualidade e temos uma grande recepção onde quer que vamos.

 

JP&B: A oferta e o mercado de charutos, se não nos enganamos, são dominados pela América Latina e pela Europa, que vantagem os “bongani cigars” trazem para a concorrência?

KM:As pessoas estão curiosas e interessadas em experimentar origens diferentes para outros charutos e produtos diferentes. Eles são muito curiosos e receptivos a um produto de luxo africano de alta qualidade.

 

JP&B: Que variedades os charutos comporta vossa marca  e como os produz?

KM:Produzimos três vitolas (tamanhos), Robusto, 458 Short e 458 Long

 

JP&B: Quais são as perspectivas de crescimento e expansão na África e no resto do mundo?

KM: O mercado é grande. O desafio para nós é aumentar a nossa presença em cada mercado. Isso pode nos manter ocupados por muito tempo e criar empregos com bons salários em Moçambique.

 

JP&B: Quais são as nacionalidades mais frequentes na sua “carteira” de clientes?

KM:Conforme referimos acima, temos clientes de todo o mundo.

 

JP&B: A literatura ligada à produção de charutos evoca muito a expertise ou altruísmo da mulher. É a feminização da “gestação” do mito ou a realidade do charuto?

KM: A indústria tem rolos de charuto masculinos e femininos

 

JP&B:Parece-nos que o mercado de charutos é selectivo e caro, qual o potencial deste negócio em Moçambique, em África e no mundo?

KM:Os charutos são produtos de luxo feitos à mão e de alta qualidade. Eles podem ser caros, mas cada vez mais, na África há uma classe média e alta de pessoas que querem experimentar produtos de alta qualidade. A demanda por cigarros é relativamente forte.

 

JP&B: Por fim, gostaríamos de saber se a “Bongani Cigars” contempla acções de responsabilidade social? Em que áreas?

KM: Todos os anos, no Natal, vendemos nossos charutos sem rótulos/ bandas e dobramos as economias que fazemos e doamos o dinheiro a um orfanato local que patrocinamos.

Adicionar comentário

Leave a Reply