Preto & Branco

Deslocados têm transtornos psicológicos acumulados

A organização internacional Médicos Sem Fronteiras, em acções de assistência humanitária em Cabo Delgado, deteta transtornos e traumas em deslocados forçados pelo conflito armado que se arrasta há quase quatro anos.

A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) alertou esta segunda-feira (30 de Agosto) para a existência de transtornos e traumas graves entre as populações deslocadas devido ao conflito armado em Cabo Delgado, destacando a necessidade do reforço do apoio a projectos de assistência psicossocial.

No total, os números oficiais apontam para existência de mais de 800 mil deslocados dos distritos do norte da província nos últimos quatro anos de conflito armado em Cabo Delgado, pessoas que perderam quase tudo e procuram refúgio nos vários centros de acolhimento criados pelas autoridades ou em casas de familiares e amigos mas consideradas zonas seguras, no sul da província.

“Eles têm de morar em acampamentos improvisados, por vezes sem condições de água e saneamento. São vários transtornos psicológicos acumulados”, frisou Sérgio Cabral, médico coordenador da organização não-governamental (ONG) em Cabo Delgado, Norte de Moçambique.

O médico ajuntou que embora sejam pessoas “muito resilientes e fortes psicologicamente”, as populações estão gravemente traumatizadas.

Por outro lado, Sérgio Cabral aponta que com a tendência para a normalização da situação nos últimos meses, com a reconquista de pontos importantes que eram dominados pelos grupos insurgentes e os ensaios para reconstrução nas zonas afectadas pelo conflito, um reforço no apoio de projectos de ajuda psicossocial é fundamental para a saúde das populações deslocadas.

Além do drama dos traumas psicológicos, nos centros de acolhimento e em casas de famílias acolhedoras de deslocados, a malária está entre os principais desafios das populações, com os números a mostrarem quase 30 mil casos confirmados de um total de 80 mil consultas feitas pelas clínicas móveis da MSF nos últimos seis meses.

Adicionar comentário

Leave a Reply