Preto & Branco

Festival do Livro Infantil na Beira

Terá lugar, em Junho, na cidade da Beira, província de Sofala, a Feira do Livro Infantil, numa organizada da Associação Kulembae que tem como patrono o consagrado escritor moçambicano Mia Couto e que conta com a participação da cantora e escritora, Dama do Bling.

A Feira que inicia no dia 16 de Junho e vai prolongar-se até 20 do mesmo mês, tem como patrono Mia Couto e contará com a participação de escritores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

O que se pode considerar pré-lançamento do Festival do Livro Infantil da Kulemba (FLIK) aconteceu na quarta-feira da semana passada, na Fundação Fernando Leite Couto, na Cidade de Maputo. Na sessão informal, estiveram Mia Couto, patrono do festival, e Dama do Bling, uma das escritoras convidadas para a edição deste ano.

Aliás, Mia Couto assinou o prefácio do livro de estreia de Dama do Bling, Melissa e o arco-íris, os dois autores concordaram sempre no que se refere à importância da celebração do livro infantil no país.

Segundo um texto do diário o País, o primeiro a falar da iniciativa da Associação Kulemba foi o Mapeador de ausências. [Mia Couto]. Segundo disse, o festival é um evento raro, jovem, que pretende espalhar a palavra literária e a criação artística, orientado para escola, para aqueles que devem saber que não podem ser formados se não se entregarem ao livro e à narração de histórias. Além disso, há também um lado afectivo que leva Mia Couto, em particular, e a Fundação Fernando Leite Couto a associar-se à iniciativa da Kulemba. “Nós somos da Beira. Então, termos este festival a realizar-se lá diz-nos muito. É como se fosse um vínculo”.

A presente edição do Festival do Livro Infantil da Kulemba vai decorrer através das plataformas digitais. No evento não faltarão conversas com crianças, debates, lançamento de livro, representação/ performance e três concursos: literário, de redacção e ilustração. Sobre os concursos, Mia Couto, que vai presidir o júri do prémio literário, afirmou: “Acho que é importante que o jovem tenha um estímulo para competir, mas precisa de compreender que essa competição não é ao nível individual. Ou seja, não escrevemos para ganhar os outros, mas para ganhar com os outros”.

Quem também não resistiu ao convite de participar nesta edição do FLIK é Dama do Bling. A cantora e escritora disse que se sente privilegiada por poder conversar à volta do seu livro Melissa e o arco-íris no festival. “Sempre que posso, associo-me a este tipo de movimento que envolve a leitura, pois a leitura está muito associada àquilo que queremos trazer a um Moçambique perfeito. Quando fiz Melissa e o arco-íris, com prefácio de Mia Couto, uma daquelas coisas que me faz pensar que vou morrer realizada, escrevi trazendo o intuito de deixar mais do que música como legado”.

Bling lembrou que trabalha muito com crianças e adolescentes. E sublinhou: “Fazer a obra e dar palestras com crianças é um acto de libertação. Temos de dar continuidade às coisas que fazemos. Espero contribuir bastante neste projecto”.

O FLIK 2021 vai acontecer em parceria com o Centro Cultural Português em Maputo. “É uma bela iniciativa, que nós temos muito orgulho em estarmos associados. O festival vai promover a literatura moçambicana e em língua portuguesa”, afirmou João Pignatelli, Director do Centro Cultural Português em Maputo.

Adicionar comentário

Leave a Reply