Preto & Branco

Liberdade de imprensa sob pressão

Caso a Assembleia da República (AR) aprovasse as duas leis sobre comunicação social e radiodifusão propostas pelo Governo, Moçambique tornar-se-ia um dos mercados mais fechados dos media em África.

Esta consideração vem do chefe da redação /Português para África da DW, Johannes Beck, avançando que além dos meios nacionais de comunicação social, órgãos internacionais seriam afectados pelas novas leis, que já foram aprovadas pelo Conselho de Ministros e que ainda têm de ser submetidas à votação na Assembleia da República.

Em artigo publicado na própria edição da DW Africa, refere-se que a 22 de Março, as propostas de novas leis da comunicação social e de radiodifusão foram debatidas pela primeira vez no Parlamento moçambicano, sendo que várias organizações da sociedade civil como o MISA (Instituto para a Comunicação Social da África Austral) Moçambique e o EISA (Instituto Eleitoral para a Democracia Sustentável em África) expressaram grande preocupação durante a audiência pública de que estas leis poderiam criminalizar os jornalistas, por um lado, mas também restringir a liberdade de expressão e de imprensa.

“Com a proibição da retransmissão de conteúdos políticos, os moçambicanos ficariam privados de muitas fontes de informação sobre acontecimentos em Moçambique, África e no mundo. Actualmente, a DW pode retransmitir o seu conteúdo jornalístico de rádio e televisão em todos os cinco países africanos de língua oficial portuguesa, só em Moçambique é que isso deixaria de ser possível”, diz Beck.

Além disso, o número de correspondentes de órgãos internacionais de comunicação estrangeiros seria limitado a duas pessoas por emissora. “Esta restrição não é apropriada para um país tão diverso e grande e tornaria a cobertura jornalística de Moçambique muito mais pobre. Na maioria dos países do mundo, não existem limites ao número de correspondentes estrangeiros”, afirma Claus Stäcker, director dos Programas para África da Deutsche Welle.

O plano “B” da DW

“A DW tem 15 correspondentes freelancers em Moçambique. Uma redução para dois seria uma restrição dramática da nossa atividade jornalística no país. O Governo dificilmente poderá justificar isto, a não ser que o objectivo seja obstruir a cobertura jornalística das suas atividades”, acrescenta Claus Stäcker.

Johannes Beck lembra que “a Constituição de Moçambique garante a liberdade de imprensa e o direito à informação”, e com expectativa diz: “A DW espera, portanto, que o Parlamento não aprove as duas leis na sua forma actual. Essa seria a decisão certa aqui, tanto interna como externamente.”

Contudo, se as novas leis fossem aprovadas, DW procuraria imediatamente novos e inovadores meios de transmissão, a fim de continuar a fornecer informação independente ao seu público em Moçambique.

“E se a rede de correspondentes fosse, de facto, cortada tão severamente como ameaçam, produziríamos mais conteúdos sobre Moçambique a partir do exterior”, garante Johannes Beck.

“Os moçambicanos continuam a procurar uma oferta de informação equilibrada, pelo que faríamos o nosso melhor para continuar a informar sobre o que se passa em Moçambique, incluindo a política moçambicana”, finaliza o chefe de redação Português para África da DW.

Adicionar comentário

Leave a Reply