Preto & Branco

Alguns envolvidos em roubos e assaltos à mão armada

Mais de 300 agentes da PRM expulsos

Agentes da Polícia da República de Moçambique (PRM) acusados de crimes como roubo e assalto à mão armada foram expulsos da corporação num acto de purificação de fileiras.

Um total de 326 agentes da Polícia da República de Moçambique (PRM) foram expulsos da corporação em 2020 por se terem envolvido em vários tipos de crimes.

No contexto do anunciou o comandante-geral da PRM, Bernardino Rafael, referiu que “a purificação das fileiras constitui uma arma fundamental para termos uma instituição pura e que não manche a sua boa imagem. Iremos continuar a purificar e expulsar os que não conseguem marchar connosco”.

Para o Comandante-geral, os polícias envolvidos, entre outros, em roubos e assalto à mão armada estavam “proibidos de cometer delitos”, chamando a atenção para o “restrito respeito e amor à farda”.

Ajuntou que fica triste quando aparecem ocorrências de crimes cometidos por agentes da PRM. “Quero que se mude este comportamento. A polícia não deve aumentar os índices de criminalidade”, vincou.

Por outro lado, houve também 360 policias promovidos por terem feito um “bom trabalho”, aos quais o Comandante-geral pediu que transmitissem boas práticas aos demais. “Ensinem os colegas, sobretudo os que pretendem desviar os princípios que norteiam a corporação, para que sigam o vosso exemplo”, apelou.

Em Junho de 2020, o Tribunal Judicial da Província de Gaza, sul de Moçambique, condenou seis polícias da Unidade de Intervenção Rápida (UIR) a penas de prisão entre três e 24 anos de cadeia pelo seu envolvimento no homicídio, em Outubro de 2019, do activista social e observador eleitoral Anastácio Matavel.

Além da condenação dos polícias, em 2020, a corporação foi também marcada pela detenção de agentes acusados de balear mortalmente cidadãos, alegadamente por violação do Estado de Emergência. Os casos mereceram repúdio por parte de organizações da sociedade civil, que pediram a responsabilização do Estado, como prevê a Constituição.

Adicionar comentário

Leave a Reply