Preto & Branco

“Director da CAF interfere nas escolhas do selecionador dos Mambas”

A selecção nacional foi goleada pela sua congênere dos Camarões, por um resultado expressivo de 4-1, em partida que decorreu no Stade Réunification, em Doualá na noite da última quinta-feira 12 de Novembro, em jogo válido para terceira jornada do grupo F de qualificação ao CAN edição 2021.
A goleada começou a efectivar-se quando faltavam 5 minutos para intervalo, quando o antigo jogador do Porto Vincent Aboubakar, de cabeça marcou o primeiro golo da partida, dando vantagem para os leões indomáveis, resultado este, que levou as duas seleções para o descanso.
Se a primeira parte os jogadores da selecção nacional os Mambas conseguiram manter a baliza inviolável até largos 40 minutos, o mesmo não pode se dizer da segunda parte do jogo, tendo o mesmo(jogo) começado com algumas alterações por parte do selecionador dos Mambas, com a saída de Luís Miquissone para dar lugar ao Gildo Vilanculos, aos 43+3 minutos, com uma jogada rápida Aboubakar bisou, deste modo voltando a “violar” a baliza do Internacional moçambicano Frank,  passando deste modo o resultado para 2-0 a favor dos Camaroneses.
A partir do minuto 53, já se via terminando o desenho de uma noite assombrosa para o combinado nacional e os seus adeptos, pois Zango Anguissa, apontava o terceiro tento, colocando o resultado em 3-0 a favor dos donos da casa.
Quando faltavam 30 minutos para o fim do jogo, Luís Gonçalves voltou a fazer novas mexidas no xadrez, por lesão saiu o “menino de idade, mas grande de bola” Geny Catamo deu lugar para outro “menino” desta feita o Kamo-Kamo, que entrou com uma outra frescura, afinal de contas o golo de honra viria deste recém entrado, que alvejou a baliza adversária do guarda redes André, que pertence aos quadros do AJAX ao minuto 75 do jogo.
Os leões indomáveis não deixaram o conjunto moçambicano festejar, até porque nem havia tempo para isso, 4 minutos depois, os donos da casa voltaram a “violar” a baliza moçambicana, levando assim o resultado para 4-1, resultado este que foi até o término do jogo da primeira mão, ficando a partida da segunda mão marcado para o dia 16 de Novembro, no Estádio Nacional do Zimpeto(ENZ) em Maputo.
Após a goleada imposta pelos Camarões, o selecionador nacional de futebol denunciou uma alegada tentativa de condicionamento psicológico da equipa, perpetrado por um oficial da Confederação Africana de Futebol (CAF).
Falando para a RM-Desporto logo após o apito final, Luís Gonçalves explicou que antes do encontro recebeu uma informação de que os atletas Reinildo Mandava e Reginaldo Faite não deveriam ser alinhados no encontro
Aliás, sempre de acordo com o técnico, “Reinildo até estava no onze inicial, mas afinal já não podia equipar. Ele e Reginaldo. Mas depois fomos informados que já podiam equipar. Eu só fiquei a saber que já podia utilizá-los quando estava a decorrer o jogo, eles no banco”.
Visivelmente agastado com a situação, Luís Gonçalves sentenciou que “não se pode brincar com jogadores profissionais de futebol como fizeram aqui” e, partindo em defesa dos dois craques, disse serem “excelentes profissionais que estavam completamente condicionados sob o ponto de vista psicológico”.
“Infelizmente um doutor da CAF, chamado Miguel, andou a brincar com Moçambique. Peço desculpas mas tenho de dizer isto aqui. Andou a brincar com Moçambique. Nós não podemos continuar a aceitar isto”, denunciou o técnico.

Adicionar comentário

Leave a Reply