Preto & Branco

Não sou candidato a presidente afirma Jeremias da Costa

Segundo Jeremias da Costa, presidente da comissão de gestão do Costa do sol, confidenciou a OC-Olho Clínico que não se candidatará a presidência do clube nas eleições marcadas para 03 de Outubro próximo. Na hora de saída, fala de desafios que permanecem no ninho do canário.

O actual líder do Costa do Sol explicou que para o pleito que se avizinha será apresentada apenas uma lista candidata, consensualizada pelos sócios e pelo patrono do clube, nomeadamente a empresa Electricidade de Moçambique (EDM).

Objectivamente, explicou Jeremias da Costa, “havia duas listas, uma preparada pelos associados e outra pelo patrono do clube, tendo-se chegado a consenso de que deveríamos fundir as duas listas”.

Sem no entanto avançar com o nome do candidato que deverá chefiar a lista única de candidatura, a fonte limitou-se a assegurar de que se trata de um quadro sénior da EDM. “Ele deverá lançar em breve a sua candidatura e até lá saberemos de quem se trata. Não posso revelar”, respondeu, diante da nossa insistência.

“O que posso vos garantir é que faço parte da lista candidata. Estarei na próxima direcção, se assim os sócios chancelarem”, avançou Jeremias da Costa, acrescentando que esta decisão visa não criar desfasamento entre a actual direcção do clube por si liderada e a próxima que deverá sair das eleições marcadas para 03 de Outubro.

“O Costa do Sol tem uma particularidade. Não existem aqui alas. Os interesses dos clubes estão sempre em primeiro lugar, independentemente da posição de cada um”, reafirmou, a fundamentar a sua entrada na lista de candidatura única.

Os principais desafios do Costa do Sol

Na porta de saída da presidência (da Comissão de Gestão) do Costa do Sol, Jeremias da Costa disse que há, ainda, vários desafios a serem perseguidos por este emblema, com destaque para a melhoria das infraestruturas.

“Temos ainda de melhorar principalmente o nosso estádio e cobrir o pavilhão para as modalidades de salão. Queremos terminar o campo de relva natural e, depois, criar condições para que o clube seja auto-sustentável”, avançou.

De acordo com a fonte, a existência destes desafios não devem nunca significar que o clube deve parar de ser um clube competitivo em todas as modalidades. “O Costa do Sol deve sempre jogar pelo pódio. Somos uma máquina cuja manutenção é feita em movimento. Ou seja, o clube não deve abdicar de lutar pelo pódio em todas as provas em que for a competir, mas ao mesmo tem todos estes desafios com as suas infraestruturas”, referenciou.

Refira-se que Jeremias da Costa assumiu a presidência da Comissão de Gestão do Costa do Sol em Janeiro deste ano, em substituição a Bruno Morgado, este último que conduziu o clube à conquista do Moçambola-2019 e da edição 2018 da Taça de Moçambique. OC

 

 

 

 

Adicionar comentário

Leave a Reply