Preto & Branco

Lurdes Mutola não descarta presidência da Federação Moçambicana de Atletismo

A primeira e única campeã olímpica de Moçambique, Maria de Lurdes Mutola, assume que gostaria de um dia chefiar a casa do atletismo nacional na qual notabilizou-se e deu-se a conhecer ao mundo com vitórias memoráveis e eternas como a medalha de ouro na olimpíada de Sydney em 2000.

Em entrevista ao “RM Desporto” Mutola diz que com a experiência e os ensinamentos adquiridos fora do país pode auxiliar no desenvolvimento do atletismo nacional, mas reconhece ser difícil chegar ao posto de presidente da Federação Moçambicana de Atletismo (FMA).

“Sinceramente falando no atletismo estamos muito atrasados. É triste, mas um dia gostaria de trabalhar na federação e talvez ser mesmo presidente da federação. Tentar, não digo que vou conseguir porque não é fácil. E tentar implementar aquilo que eu aprendi lá fora e aplicar para os nossos atletas e nossa federação a ver se Moçambique consegue produzir mais atletas, mais Lurdes” afirmou Mutola.

A atleta que se destacou na disciplina dos 800 metros realça que tem recebido vários telefonemas de agentes do desporto ligados à modalidade para que possa abraçar a presidência do atletismo por pelo menos quatro anos.

“Tenho recebido muitos telefonemas dos atletas, dos dirigentes e treinadores a pedirem para pelo menos ficar naquela posição durante uns quatro anos. Eu sei que não é fácil para qualquer presidente, mas acho que podemos mudar qualquer coisa e é altura de talvez mudarmos a maneira como trabalhamos” disse a campeã olímpica dos 800 metros.

Questionada sobre uma possível presidência do Comité Olímpico de Moçambique, Maria de Lurdes Mutola diz que ainda não perspectivou esse passo. Neste momento pensa apenas no atletismo onde tem muitos contactos no estrangeiro que podem apoiar a modalidade a fazer melhor figura que a actual.

“Ainda não sonhei até lá [Comité Olímpico de Moçambique], mas eu gostaria primeiro de começar no atletismo porque é a modalidade que tenho conhecimento e eu acho que podia dar o meu melhor ali. Posso ter muito apoio de países de fora mesmo onde estou a trabalhar agora como coordenadora da Nike posso ter apoio para desenvolver. Não digo que vamos ter campeões olímpicos ou do mundo, mas podemos chegar um bocado longe. É triste um país como Moçambique ter só um atleta que faz os mínimos para os Jogos Olímpicos” disse Maria de Lurdes Mutola.

Durante a entrevista a atleta moçambicana mais bem-sucedida de todos os tempos não avançou quando pode intrometer-se na luta à presidência do atletismo nacional, garantindo que precisa, primeiro, traçar um plano e só depois decidir positivamente ou não a possibilidade de concorrer ao cargo de presidente da FMA (LANCEMZ).

 

 

 

Adicionar comentário

Leave a Reply