Preto & Branco

Depois de uma virtual guerra de palavras

Nyusi faz pazes com bispo de Pemba

O Presidente da República, Filipe Nyusi, manteve, nesta segunda-feira, um encontro com o bispo de Pemba, Luiz Fernando Lisboa, após o clérigo ter sofrido ataques verbais de comentadores, considerados próximos a Nyusi, por alertar para a crise humanitária na província de Cabo Delgado, tacitamente por si instigados.

Segundo uma breve nota do próprio Presidente da República, Filipe Nyusi, divulgada na página da rede social Facebook, o seu encontro e Luiz Fernando Lisboa, em Pemba (capital provincial de Cabo Delgado) serviu para partilhar “informações ricas”, numa altura em que a diocese local está entre as principais entidades no apoio às populações deslocadas devido à violência armada em Cabo Delgado, Norte de Moçambique.

“Foi um encontro bom, a avaliar pela rica informação partilhada, uma vez que a Igreja Católica está enraizada na província. O diálogo com todas as forças vivas da sociedade continua sendo a nossa maior aposta de governação”, refere a nota do chefe de Estado.

Em declarações a jornalistas no final do encontro, o chefe de Estado destacou que o tema da violência armada foi um dos principais, avançando que o bispo de Pemba alertou para a necessidade do apoio psicológico às populações afectadas pela violência.

“Há um trabalho psicológico que deve ser feito para as pessoas afectadas. Alguém que vê o filho ou marido a ser decapitado ou morto precisa de um conforto”, Filipe Nyusi.

Luiz Fernando Lisboa, bispo católico, tem levantado a voz para alertar para a crise humanitária que se está a abater sobre as comunidades da província de Cabo Delgado.

As críticas de comentadores próximos ao partido no poder contra Luiz Fernando Lisboa, que chegou a ser acusado de ser um dos “financiadores dos insurgentes”, surgiram após Filipe Nyusi criticar, genericamente, “moçambicanos e estrangeiros” que têm reprovado alegados abusos das Forças de Defesa e Segurança (FDS) no conflito armado, durante uma visita à província de Cabo Delgado no dia 15 de Agosto.

Na ocasião, Filipe Nyusi criticou “aqueles que bem protegidos levam de ânimo leve o sofrimento de quem os protege, incluindo alguns estrangeiros que livremente escolheram viver em Moçambique”.

Para algumas organizações da sociedade civil, foi este comentário do Presidente Nyusi que fez com que comentadores considerados próximos do Presidente atacassem o bispo de Pemba.

Após o episódio, o Centro de Integridade Pública (CIP) lançou uma petição para contestar a “intolerância” contra figuras que denunciam o sofrimento das populações no norte do país, enquanto que o Centro para a Democracia e Desenvolvimento (CDD) criticou duramente os “ataques verbais contra o bispo de Pemba”.

Na mesma semana, durante uma conversa telefónica com Luiz Fernando Lisboa, o Papa Francisco manifestou preocupação com a violência armada em Cabo Delgado, considerando que está a acompanhar a situação das populações afectadas e reiterando o seu apoio ao bispo de Pemba.

“Ele disse que está bem próximo do bispo de Pemba e de todo o povo de Cabo Delgado. E que acompanha a situação vivida na nossa província com muita preocupação e que tem rezado por nós”, disse à comunicação social Luiz Fernando Lisboa, citando parte da conversa que teve com chefe da Igreja Católica.

A violência armada na província de Cabo Delgado já causou a morte de mais de mil pessoas em quase três anos, além da destruição de várias infraestruturas.

De acordo com as Nações Unidas, a violência armada levou à fuga de 250.000 pessoas de distritos afectados pela insegurança nesta província nortenha do país.

Adicionar comentário

Leave a Reply