Preto & Branco

Governo da província de Maputo recebe donativo de protecção médico da Mozal

Trata-se de kits de material de protecção médico para dar resposta da pandemia da Covid-19 que que a empresa de alumínio em Moçambique Mozal no âmbito da sua responsabilidade social, fez a entrega desse ao Governo moçambicano na sexta-feira (17) pretérita do mês corrente numa série dos elementos tais como 20 termómetros infravermelhos, 17,760 Batas descartáveis, 1,004 Macacões, 25,920 barretes, 180 pares de botas, 13,680 Máscaras FFP2, 2,000 Máscaras Medicas, 16,200 luvas cirúrgicas, 1,250 Máscaras de oxigénio para adultos e 250 Máscaras de oxigénio para crianças.

Segundo Gil Cumaio Director interino de Assuntos Corporativos da Mozal, a doação é destinada a apoiar na protecção do pessoal de saúde nas diversas frentes de prevenção e combate a pandemia da Covid-19. É também para ajudar as pessoas infectadas pela Covid-19 e que tenham dificuldades em respirar.

“Como sabemos, a protecção do pessoal de saúde é fundamental para o sucesso das medidas de prevenção e combate a este mal”, enfatizou Gil Cumaio.

Cumaio acrescentou que a Mozal reafirma o seu compromisso de protecção activa no bem-estar das comunidades, juntando-se aos esforços do Governo e outros parceiros no combate a pandemia da Covid-19.

Porém, o material de protecção foi entregue a Secretária do Estado da província de Maputo Vitória Diogo que na senda deste acto teceu o seu posicionamento pelo facto da Mozal se empenhar nos esforços de prevenção da pandemia do novo coronavírus no país e foi por via desta que a mesma governante deu saber de que desde a eclosão da pandemia da COVID-19 em Moçambique, a província de Maputo tem registado um ambiente calmo e de certa estabilidade nas relações laborais, apesar do impacto negativo desta pandemia, pelo que, no contexto das restrições decorrentes do estado de emergência, 135 empresas tomaram medidas, envolvendo cerca de 2.342 trabalhadores, assim: 106 Empresas suspenderam actividades, envolvendo, 1672 trabalhadores; Seis Empresas suspenderam parcialmente, envolvendo 91 trabalhadores; Oito Empresas optaram pela rotatividade laboral, envolvendo 284 trabalhadores; Sete Empresas optaram por férias colectivas, envolvendo 180 trabalhadores; Seis Empresas pela redução de trabalhadores, envolvendo 64 trabalhadores; Duas Empresas pela redução de carga horária, envolvendo 51 trabalhadores;

E neste contexto, em termos de sectores de actividades, foram mais afectados, designadamente, Prestação de Serviços, com maior número de Empresas (45), representando 33%, Indústria Hotelaria com 30 empresas (22%) e o Ensino com 14 empresas, representando 10%. E das acções de Monitoria, constatou-se que, de um universo de 135 empresas: 23 (17%) do global, pagaram a 100% do salário a seus trabalhadores; 51 (38%) pagaram salários nos termos do n° 5 do artigo 123 da Lei do Trabalho; 13 (9%) optaram pela indemnização dos seus trabalhadores; 1 (1%), reduziu de 5% a 7.5% de salários iguais e superiores a 160.000,00MT. 5 (4%), encontram-se enceradas; 28 (21%) estão em prospecção.

“51 empresas, correspondente a 38%,  optaram pelo pagamento de salários nos termos do n° 5 do artigo 123 da Lei do Trabalho, tendo todos auferido 50%  do seu salário, não abaixo do mínimo nacional.  Através de vós, quero renovar os apelos para que todos nós, a partir das nossas casas, locais de trabalho, vias públicas ou qualquer outra situação, observemos religiosamente as medidas de prevenção que tem sido difundidas pelo Sector da Saúde”, apelou Vitória Diogo Secretária de estado da província de Maputo.

A secretária de estado exortou aos professores, alunos, pais e encarregados de educação, para que se envolvam activamente no processo de criação de condições para a retoma do processo lectivo com a devida segurança.

Portanto, para Iolanda dos Santos Directora Provincial de Assuntos de Serviços Sociais, é um gesto bastante admirável no que concerne a este tipo de apoio sendo que a questão de higiene individual é muito importante e de muita utilidade porque vai ajudar os profissionais de saúde para a devida prevenção pois estes trabalham directamente com os pacientes a nível das unidades sanitárias e, “neste momento que estamos a enfrentar a questão de covid-19 portanto será de muita utilidade e veio reforçar o que são esforços do governo para a mitigação da covid-19”, frisou.

segundo a directora tem meio suficiente para lidar com esta causa sendo que o sector empresarial tem dado o seu apoio e quanto mais ter stock melhor ainda porque os casos de covid-19 tem se elevado cada dia que passa.

Adicionar comentário

Leave a Reply