Preto & Branco

Sasol faz entrega de uma extensão reabilitada de 35 km da EN1 Pambara-Mangungumente

A empresa petroquímica Sasol e parceiros fizeram a entrega, na passada sexta-feira (26) de junho, uma extensão reabilitada de 35 km da Estrada Nacional número 1 (EN1), ligando Pambara, no distrito de Vilanculos, e Mangungumete, no distrito de Inhassoro. As obras foram financiadas pela petroquímica e seus parceiros, nomeadamente, Companhia Moçambicana de Hidrocarbonetos S.A (CMH) e International Finance Corporation (IFC).

Trata-se de uma estrada que é usada como a principal porta de entrada terrestre Norte-Sul no país e bastante utilizada pelas comunidades locais para transportar pessoas e bens de e para o resto do país.

Durante um período significativamente longo, a circulação de veículos neste troço da EN1 constituía um enorme desafio para os utentes, incluindo a Sasol, devido ao acentuado estado de degradação em que se encontrava.

Foi neste paralelismo da situação de degradação que a Sasol, no âmbito da sua responsabilidade social corporativa, assinou um acordo com a Administração Nacional de Estradas (ANE) e com os seus parceiros – CMH e IFC – financiou a reabilitação deste troço, com um custo total de seis milhões de dólares americanos.

O evento da entrega da estrada foi dirigido pelo Ministro das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos, João Machatine, na presença de representantes do governo local, da Administração Nacional de Estradas (ANE) e da comunidade.

Nesta senda, falando aos presentes, João Machatine manifestou a sua satisfação com o apoio prestado pela Sasol e parceiros. “Esta intervenção foi feita em momento oportuno e no local em que efectivamente a degradação era bastante acentuada, por isso, queremos saudar todos os intervenientes que estiveram envolvidos nesta empreitada e aproveitar esta oportunidade para reconhecermos o gesto da Sasol”,afirmou João Machatine.

O governante acrescentou lançando um apelo às outras multinacionais, no sentido de seguirem o exemplo da Sasol, em termos de comparticipação nas acções de manutenção e reabilitação das infra-estruturas rodoviárias.

Portanto, a escolha de projectos a apoiar no âmbito da responsabilidade social da Sasol está ligada ao compromisso que a petroquímica tem com o desenvolvimento do país.

“A segurança é uma parte integrante dos nossos valores e da forma como fazemos negócios. A Sasol mantém-se firme no seu compromisso com Moçambique e compreendemos o contributo significativo que o troçoreparado da EN1 dá à economia e à vidas dos moçambicanos”, afirmou Ovídio Rodolfo, Director-geral da Sasol em Moçambique, durante a cerimónia.

E como sinal de repercussão do facto, a população presente mostrou a sua satisfação sendo que, Afonso Sitoe, residente na localidade de Maimelane, distrito de Inhassoro, zona atravessada pelo traçado da estrada ora reabilitada e que sustenta os seus dois filhos e esposa com receitas vinda desta via enquanto transportador, disse estar satisfeito com a reabilitação. “Antes, era muito difícil a transitabilidade devido aos buracos e os nossos carros sempre registavam avarias. Mas, de agora em diante, graças ao apoio da Sasol na reabilitação da via, estaremos mais cómodos para fazer negócios e levar a vida à frente”, desabafou Afonso Sitoe.

A opinião de Afonso é partilhada pelos demais membros das comunidades que vivem ao longo da estrada, e não só, conforme testemunhou Jaime Ngolove, líder comunitário em Maimelane. “Agradeço o Governo e a Sasol porque juntos perceberam que havia necessidade de criar condições para que a estrada voltasse a ser transitável e já estamos a notar os benefícios disto”.

A reabilitação deste troço representa um alívio não só para as comunidades locais, mas também para os transportadores de longo curso que passam a ter melhores condições de transitabilidade.

O trabalho de reabilitação foi coordenado pela ANE, garantindo a eficácia e as mais elevadas especificações das obras, em benefício de todos os utentes da estrada.

Adicionar comentário

Leave a Reply