Preto & Branco

Moçambique participa no desafio de Inovação da SADC

Para tal o país vai ser representado por três startups no grande Desafio de Inovação da SADC, nos finais de mês de Junho em curso na final regional do concurso de ideias inovadoras da África Austral. Trata-se das startups MobileCare, Pagalu e Zinwe que foram escolhidas pelo júri para a representação de Moçambique. Ainda é prematuro avançar com a data exacta da realização deste evento por conta do estado de emergência vigente no país pelo devido a pandemia da covid-19.

Estes destacados como, MobileCare, startup orientada para a prestação de serviços de seguro a custo reduzido, é vencedora na categoria acessos a serviços básicos.

E segue-se a Pagalu que é a vencedora para a categoria identidade financeira digital. Segundo o membro de júri, Pagalu tem destaque por resolver um problema que envolve plataformas de pagamentos. Este serviço permite, entre outros aspectos, alcançar o conceito de ‘open banking’, banco aberto, ou sistema aberto de dados bancários, que é parte da tecnologia financeira, relativo a um conjunto de regras sobre o uso e partilha de dados/informações financeiras entre instituições.

Por sua vez, na categoria financiamento para Pequenas e Medias Empresas (PME’s), destaca-se Zinwe, ideia de negócio que permite o crowdfunding, obtenção de capital para iniciativas de interesse colectivo, através da agregação de múltiplas fontes de financiamento, que possibilita a ligação para investidores de PME’s, no âmbito do acesso aos serviços financeiros.

Pela distinção nacional, as startups vencedoras receberão mil dólares, apoio de experts através de sessões de business advisory e monitoria para estarem melhor preparadas para a final regional do desafio, onde poderão ganhar até cinco mil dólares, e acesso a um programa de incubação internacional.

Pela ocasião, Tauanda Chare, fundador do MobileCare Insurance, expressou o seu agrado pela distinção e realça que a sua ligação é com África, pois a MobileCare trás soluções para todos os mercados africanos, reduzindo a desigualdade no acesso a serviços de seguros, garantindo serviços de administração fúnebre digital e reduzindo a dívida induzida pela morte em famílias africanas.

De acordo com o comunicado recebido a nossa redacção, a nível nacional, o Financial Sector Deepening Moçambique (FSDMoç) e a ideiaLab são as entidades responsáveis por implementar este desafio, e garantiram a formação dos participantes para aprimorarem as suas ideias de negócio e trazerem soluções significativas para África no seu todo.

Portanto, para Sara Fakir, Co-fundadora e Executive Catalyst da ideiaLab, explicou sobre a experiencia inovadora da região, “a experiência do Desafio de Inovação da SADC constituiu um enorme aprendizado para todos os participantes, incluindo para nós ideiaLab. Devido à conjuntura actual, vimo-nos obrigados a migrar o bootcamp para o mundo digital, e chegados a final nacional não podíamos estar mais felizes pelas soluções apresentadas e pelo feedback dos participantes, que para nós são todos vencedores.”

Recorda-se que, em Moçambique, 29 empreendedores foram seleccionados e, através de formações e sessões de monitoria, através de plataformas digitais, tiveram a oportunidade de melhorar os seus modelos de negócios. Com o apoio da ideiaLab, os jovens empreendedores receberam formação intensiva para desenvolverem os seus produtos e melhorarem a experiência dos seus usuários com base no perfil dos seus clientes, bem como para melhor estruturarem e apresentarem os seus negócios.

“Tivemos o privilégio de levar o Desafio de Inovação às finais do país e a grande final regional em um ambiente online ou virtual. A COVID-19 fez a busca por soluções que impactam e melhoram a vida das pessoas nos nossos países, tanto mais importantes na necessidade de relevância quanto aplicáveis ao nosso ‘novo’ ambiente ”, afirma Robert Jones, Especialista em Inclusão Financeira da FinMark Trust (FMT), que liderou as competições no país e a mudança para um ambiente virtual.

O mesmo entusiasmo sobre a competição é partilhado por Esselina Macome, Directora-Geral do Financial Sector Deepening Moçambique, que pela relevância do desafio, tendo em conta os objectivos traçados, assegurou que o FSDMoç, acolheu de bom grado a iniciativa e vislumbra nas startups seleccionadas na final nacional uma oportunidade de trazer soluções inovadoras para África.

 

Adicionar comentário

Leave a Reply