Preto & Branco

Sob asfixia dos compradores Governo salva produtores de algodão

A Resolução governamental que atribui aos camponeses, concretamente, aos produtores do algodão, o subsídio ao preço do algodão-caroço para a campanha 2019/20 é, sem dúvidas, um marco histórico na política agrária e económica nacional e um sinal real e indiscutível da aposta séria do Governo na agricultura. O anúncio da atribuição do subsídio para elevar o preço do algodão fora feito pelo Ministro da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Celso Correia, no final da 16ª sessão ordinária do Conselho de Ministros realizada no pretérito dia 12 de Maio

Com base nas declarações de Celso Correia, a resolução, que aprova o subsídio, aumenta em seis (6) meticais o preço do algodão caroço ao produtor por quilograma e os seus respectivos preços mínimos de compra ao produtor do algodão caroço e do descaroçamento do algodão a vigorar na campanha agrária 2019/2020.

Assim, o preço do Algodão caroço de primeira qualidade passa a custar 25,00MT por quilograma; aalgodão caroço de segunda qualidade -18,00MT por quilograma e o descaroçamento do algodão caroço de primeira qualidade – 7,00MT por quilograma.

“O preço mínimo do algodão caroço de 1ª qualidade é de 25 meticais por quilograma, acima do preço da campanha passada, algodão caroço de 2ª qualidade 18 meticais por quilograma e descaroçamento do algodão caroço de 1ª qualidade a 7 meticais por quilograma”, disse Celso Correia no final da 16ª sessão ordinária do Conselho de Ministros, tendo acrescentado que “a abordagem do Governo enquadra-se na nova política de protecção e estímulo do agricultor familiar e acima de tudo no estímulo de cadeias de valor estratégico”.

Esta decisão do Governo seguiu-se às negociações realizadas nas vésperas, marcado por divergências entre as partes. Nesses encontros, realizados no Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural, o Fórum Nacional dos Produtores de Algodão pedia, por exemplo, a manutenção dos 23,30 meticais por quilograma pagos na Campanha passada, isto é, 2018/2019 enquanto a Associação Algodoeira de Moçambique admitia pagar apenas 19 meticais por quilograma justificando-se que a actual conjectura macroeconómico não permite fazer mais. Eram posições extremadas e irredutíveis.

Por isso, a Associação Algodoeira de Moçambique afirma que o subsídio de seis meticais por cada quilograma de algodão-caroço permitirá elevar o valor das compras de algodão-caroço aos produtores para cerca 1,1 mil milhões de meticais, facto que representa uma enorme ferramenta de desenvolvimento rural.

“Este apoio é sem dúvidas um marco histórico na política agrária e económica nacional e um sinal real e indiscutível da aposta séria do Governo na agricultura e na população rural. Não é um subsídio ao consumo, é sim um subsídio à produção e às famílias produtoras”, afirmou o presidente da AMM, Francisco Ferreira dos Santos em conferência de imprensa realizada quarta-feira na capital do país

Adicionar comentário

Leave a Reply