Preto & Branco

COVID-19: Patrocinadores dos clubes reduzem apoio

Costa do Sol, Ferroviário de Maputo, União Desportiva do Songo e Associação Black Bulls queixam-se da redução na injeção financeira por parte das empresas que são os seus principais patrocinadores ou integradoras, por conta da pandemia, Covid-19 que obrigou a mudanças profundas na coleta de receitas das mesmas.

O facto foi revelado durante o debate sobre os salários a serem pagos aos jogadores e treinadores de futebol no período que durar a suspensão da actividade desportiva na sequência das medidas de prevenção a pandemia do coronavírus.

Luís Canhemba, representante da União Desportiva do Songo, deu conta que os patrocinadores de alguns clubes também se ressentem da crise causada pela Covid-19, exemplificando com a HCB – Hidroelétrica de Cahora Bassa que viu as suas receitas diminuídas por conta do “lockdown” na África do Sul, por isso reduziu o valor alocado à responsabilidade social. Canhemba defendeu a proposta dos clubes de pagar 50% dos salários, isto para não optar por accionar o artigo 123 da Lei de Trabalho por forma a proteger os jogadores e treinadores.

Por seu turno, Jeremias da Costa, Presidente do Costa do Sol, referiu que alguns patrocinadores estão a enfrentar dificuldades para honrar com o seu compromisso e já deram conta que vão rever os acordos de patrocínio. Da Costa sublinhou que a proposta colocada pelos clubes já olha para o lado humano, vincando a necessidade da protecção dos contratos dos jogadores e treinadores.

 

O Presidente do Ferroviário de Maputo, Teodomiro Ângelo, referiu que os ferroviários também se ressentem desta crise e o seu patrocinador principal, a empresa Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM) já alertou que vai ocorrer uma redução significativa do apoio financeiro por conta da redução da actividade nos portos e caminhos de ferro do país.

 

Por seu o empresário Juneid Lalgy, Presidente da Associação Black Bulls, referiu que desde o “lockdowm” que foi implementado na vizinha África do Sul, os camiões da sua empresa Transporte Lalgy estão sem transportar minério para o Porto de Maputo o que vai impactar nas receitas, por conseguinte no apoio que tem dado ao desporto, no âmbito da responsabilidade social.

Adicionar comentário

Leave a Reply