Preto & Branco

Sobre os Dilemas do Presidente Nyusi

Os momentos iniciais dos mandatos do presidente Nyusi foram marcados por eventos adversos que impactaram no processo de governação. No mandato anterior, as sucessivas calamidades naturais, a questão da rebelião na região centro movida pela Renamo, a suspensão da ajuda ao Orçamento do Estado pelos parceiros de cooperação após o despoletar das dívidas ilegais e o início da chamada insurgência no norte de Cabo Delgado em 2017. O actual mandato iniciou justamente com o retornar das armas na região centro com ataques a civis e Forças de Defesa e Segurança movidos por Mariano Nhongo, o autoproclamado presidente da Junta Militar da Renamo. Ao mesmo tempo, assiste-se ao recrudescimento dos ataques cada vez mais ousados nos distritos do norte e centro de Cabo Delgado e para agravar o registo da pandemia da Covid-19 que levou o governo a decretar o Estado De Emergência. Mas ‘e sobre a situação de segurança precária que se vive em Cabo Delgado que quero em breves linhas fazer alusão.

Na opinião 8 abordei sobre os tempos sombrios em que vivemos tendo, como pano de fundo, a insurgência em Cabo Delgado. Apelava à necessidade de não se privilegiar apenas o uso da força para travá-la, como também se devia agregar a dimensão de diálogo com as comunidades, os estudiosos da matéria por forma a adoptar-se uma abordagem integrada do problema. No teatro de operações, a correlação de forças mostra claramente que as Forças de Defesa e Segurança estão em total desvantagem em termos de estratégia e capacidade combativa. As sucessivas ocupações das vilas da Mocímboa da Praia, Nangade, Muidumbe e Ibo em Março e Abril correntes, reforçam claramente esta ideia. O propalado recurso a mercenários, desta vez sul-africanos depois da inglória passagem dos russos do Wagner Group, para fazer face à notória capacidade ofensiva dos insurgentes deixa sem margens de dúvidas o despreparo das nossas forças. Como lidar com esta situação que humilha e põe a soberania do Estado de cócoras? Haverá espaço para dialogar quando os vídeos amplamente difundidos nas redes sociais mostram a população efusivamente aplaudindo os insurgentes? Como lidar com Nhongo que semeia dor e luto na região centro? Como lidar com as incertezas do impacto humano, social e económico que advirá da pandemia do Coronavírus? Estes são os dilemas do presidente!

 

 

Adicionar comentário

Leave a Reply